Artigos Tactical Analysis

Mateus, o Vital. Brasileirão 17ª rodada – Corinthians 1 x 0 Atlético

A partida entre Corinthians e Atlético ocorrida ontem (01/09) às 19:00 horas na Arena Corinthians foi uma partida muito especial, primeiro, pelo fato de o clube paulista completar 109 anos de história (e que história) e segundo, que marcaria o encontro do pupilo Rodrigo Santana (téc. do Atlético) com o seu amigo e “conselheiro” Fábio Carille (téc. do Corinthians).

Com passagens em times do interior como Grêmio Barueri, São Carlos e Juventus-SP, Rodrigo Santana foi treinador da URT entre os anos de 2017-18, quando recebera inclusive o prêmio de melhor treinador do Campeonato Mineiro de 2017. E foi através de um conselho do amigo Fábio Carille que o jovem treinador transferiu-se para o Galo um ano atrás. Quando Santana foi convidado para comandar a equipe sub-20 do Atlético, Carille indicou que o amigo precisava estar perto dos grandes clubes, conhecer a rotina e fazer parte do funcionamento dos mesmos. E assim o fez.

Ontem foi o primeiro embate entre os dois treinadores que talvez possa ser reeditado mais a frente em uma competição internacional, caso os dois clubes avancem à fase final da Sul-Americana 2019.

Em ritmo de festa

Disposição tática: Corinthians (branco com preto) x Atlético (preto com amarelo)

As semelhanças entre os treinadores prevaleceram em campo, com ambos os times jogando no mesmo esquema tático, acabando por se “espelharem” no gramado. Ao atacar, o Corinthians e o Atlético se postavam num 4-1-4-1 e sem a bola, os times se transformariam em algo parecido com um 4-5-1.

Circunstancialmente, o Atlético se via muitas vezes sufocado pelo ataque corintiano, abaixando as linhas de marcação e buscando sair apenas no contra-ataque pelos lados de campo com Cazares (pela direita) e Chará (pela esquerda).

Com a posse da bola, o Corinthians tinha em Mateus Vital (21) o ponto de criação ofensiva de seu time, dando mais liberdade ao meia que atuou flutuando nas costas dos volantes atleticanos e mais inclinado pelo lado esquerdo de ataque.

Vital – que foi o homem do jogo para o Players For The Future – se destacou em meio a uma partida onde o coletivo de ambos os times se sobressaíram. Foram dos pés dele que surgiram as melhores oportunidades corintianas ao final dos 90 minutos, e também a assistência para o gol feito de Gustavo aos 43′ do segundo tempo.

O início de jogo proporcionou chegadas de ambos os times ao ataque, com mais peso para o lado alvinegro paulista, que levou perigo a meta de Cleiton (22) após um chute de Mateus Vital por cima do gol aos 7′, em um movimento que lhe foi rotineiro partindo do lado para dentro e finalizando com a perna direita.

Foi aos 23′ que o jogo realmente esquentou, após cruzamento vindo de Chará pelo lado direito, Ricardo Oliveira foi atrás de Manoel para cabecear e exigir uma defesaça de Cássio, evitando o 0x1. Logo aos 24′, Vital que estava dominando o lado esquerdo de ataque corintiano puxou novamente de fora para dentro e quase que na risca da grande área mandou um belo chute característico de Philipe Coutinho, defendido por Cleiton em salto elástico. Na sequência do lance, o veterano Ricardo Oliveira conduziu a bola em meio a uma desorganização defensiva do Corinthians e finalizou sob o gol de Cássio.

Ajude-nos a crescer

Essa é uma forma de nos ajudar a melhorar. Faça uma pequena contribuição para que possamos fazer mais análises, textos e melhorar cada vez mais a quantidade (e qualidade) dos jogadores indicados.

R$5,00

Com a inversão entre Cazares aos 15′ do 1T, passando a atuar pelo lado esquerdo e Chará pelo direito, o Atlético produziu mais onde estava o seu camisa 10 – semelhantemente ao que era feito pelo rival, nesse caso, com o seu camisa 22 -, e a partir dos 29′ o Galo fez com que o arqueiro corintiano tivesse trabalho em dois remates do próprio equatoriano e também de Vinicius, que caía bastante pelo lado e se associava com os seus companheiros mais a frente.

O Corinthians tentava chegar, mas via as suas melhores jogadas saírem de bolas paradas e cabeceios que não assustaram a defesa atleticana. Aos 38′ Chará recebeu pela direita após ótimo passe vindo de Patric e cruzou rasteiro fazendo com que Manoel se esticasse pelo gramado e desviasse a bola, tirando o gol certo dos pés de Ricardo Oliveira.

Antes do término do 1T o Galo quase marcou após cobrança de escanteio e cabeceio contra a própria meta feita por Vagner Love e defendido por Cássio, que na saída de jogo lançou o atacante que por pouco não pegou Cleiton desprevenido e abriu o placar.

Um segundo tempo com cara de primeiro

Na volta do jogo o time paulista começou pressionando e pediu pênalti em dividida entre Igor Rabello e Vagner Love, nada marcado. Mateus Vital testou Cleiton em mais um remate aos 18′ onde conduziu o lance da ala-esquerda de ataque para o centro e fez com que o goleiro atleticano trabalhasse com categoria.

Foto: Premiere FC

Em jogada de Vital aos 20′ do 2T, Pedrinho (21) recebeu um passe açucarado do melhor jogador da partida, que em meio a uma vantagem posicional e numérica o camisa 38 ainda teve tempo para driblar e tirar completamente Fábio Santos do lance, rematando com o pé direito para fora.

No lance que antecedera o gol, Mateus quase abriu o placar após um cruzamento de Gustavo vindo da linha de fundo e, sem deixar a bola cair o camisa 22 tentou encobrir Cleiton e por pouco não obteve sucesso, com a bola encobrindo o gol.

Na saída de jogo através do tiro de meta, o próprio arqueiro atleticano que tem boa habilidade com os pés e foi seguro durante toda a partida, deu um presente para a Fiel após errar o primeiro passe e entregar a bola ao time rival, quando, o camisa 22 corintiano assistiu ao seu companheiro com uma linda bola enfiada entre a defesa do Atlético, sacramentando a vitória ao final do jogo.

Foto: Premiere

Com o resultado reverso, o Atlético completou o terceiro jogo (em sequência) sem vitória no Brasileirão, caindo para a 7ª colocação com os mesmos 27 pontos, enquanto o Corinthians subiu para o 3º lugar com 31 pontos.

As finalizações falhadas de ambos os lados e as boas defesas dos goleiros fizeram com que o placar fosse mínimo para a vitória paulistana, talvez, o resultado mais justo em meio ao que foi o jogo seria o empate, mas como nem sempre há justiça no futebol, foi assim que a partida se encerrou. Tais erros tem se tornado o fantasma do ataque atleticano, que por diversas vezes se vê produzindo com qualidade e quantidade mas não tem tido nas finalizações os mesmos cuidados para anotar os gols.

Números de Mateus Vital:

  • 90′ jogados
  • 1 assistência
  • 63 toques
  • 36 passes
  • 2 passes decisivos
  • 2 (5) finalizações
  • 2 faltas sofridas

Números do jogo:

  • 14 (5) x (5) 11 finalizações
  • 2 x 1 grandes chances
  • 2 x 0 contra-ataques
  • 6 x 4 defesas do goleiro
  • 45% x 55% posse de bola
  • 476 (414) x (527) 605 passes

*Foto por Marcos Ribolli

0 comentário em “Mateus, o Vital. Brasileirão 17ª rodada – Corinthians 1 x 0 Atlético

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: